Em entrevista exibida pelo Giro do Boi nesta quinta, 27, o presidente da ACNB, a Associação dos Criadores de Nelore do Brasil, Nabih Amin El-Aouar, destacou a importância de protocolos e programas de remuneração do pecuarista para a evolução do setor como um todo.

El-Aouar fez referência ao Programa de Qualidade Nelore Natural, que em 2019 foi fruto de parceria entre a Nelore do Brasil e a Friboi, remunerando animais com bônus de até R$ 10,50/@ de acordo com o padrão de suas carcaças.

“Foi um grande divisor de águas. Eu acho que esta parceria da ACNB com a Friboi foi um grande ganho para a pecuária nacional no sentido, primeiro, de aumentar a rentabilidade daqueles que participam deste programa, deste protocolo. E em segundo, melhorar a qualidade da carne produzida. No momento em que passa a existir um programa como este, o produtor passa a desejar produzir algo como o vizinho, ou melhor do que o vizinho, e ele começa a se capacitar e a mudar a forma de manejo, de nutrição e tecnologia dentro do seu rebanho e com isso ganham todos. Ele (pecuarista) ganha na rentabilidade, ganha o frigorífico porque vai receber um animal melhorado e, especialmente, ganha o consumidor, que vai ter uma carne de melhor qualidade”, sustentou Nabih.


Com a evolução da raça no Brasil, a associação precisou, inclusive, fazer ajustes nas avaliações de carcaças para a edição Circuito Nelore de Qualidade 2020. “Nós já fizemos um planejamento estratégico de mudanças e de ações positivas para o nelorista brasileiro, inclusive com algumas mudanças no Circuito Nelore de Qualidade, para valorizar os animais mais precoces. Mexemos na pontuação, ajustamos a pontuação para peso, porque o Nelore, com esta evolução do Circuito Nelore de Qualidade, animais jovens, zero a dois dentes, cada vez estão com pesos maiores, então isso fez com que mudássemos a classificação do peso. A mesma coisa para a classificação da idade, que nós abaixamos a pontuação para animais de quatro dentes abaixo. Então isto é muito legal, é a gente sentir a evolução e o melhoramento genético.[…] Eu sempre digo que, para o Nelore, o céu é o limite”, anunciou o presidente da ACNB.

El-Aouar revelou também que em 2020 haverá premiação especial para o gado Nelore terminado a pasto e ainda uma prova de performance “Nelore, a Carne do Brasil”.


Na entrevista, Nabih celebrou o lançamento da série especial “Cupim, sabor de Nelore”, cujos episódios vão ao ar todas as sextas-feiras dentro do Giro do Boi. “Agora com este novo projeto, “Cupim, sabor de Nelore”, promovido pelo Giro do Boi, isto é uma verdade, é um resgate da auto-estima do nelorista. É colocar o nelorista no mercado de produção de carne de qualidade. O Nelore é capaz não só de ter volume populacional, mas também é capaz de ter uma carne de qualidade, maciasuculenta. E é isto que nós desejamos”, valorizou.

Veja nos links abaixo os três primeiros episódios da série “Cupim, sabor de Nelore”:


Assista a entrevista completa com Nabih Amin El-Aouar pelo vídeo abaixo:

Em entrevista exibida pelo Giro do Boi nesta quinta, 27, o presidente da ACNB, a Associação dos Criadores de Nelore do Brasil, Nabih Amin El-Aouar, destacou a importância de protocolos e programas de remuneração do pecuarista para a evolução do setor como um todo.

El-Aouar fez referência ao Programa de Qualidade Nelore Natural, que em 2019 foi fruto de parceria entre a Nelore do Brasil e a Friboi, remunerando animais com bônus de até R$ 10,50/@ de acordo com o padrão de suas carcaças.

“Foi um grande divisor de águas. Eu acho que esta parceria da ACNB com a Friboi foi um grande ganho para a pecuária nacional no sentido, primeiro, de aumentar a rentabilidade daqueles que participam deste programa, deste protocolo. E em segundo, melhorar a qualidade da carne produzida. No momento em que passa a existir um programa como este, o produtor passa a desejar produzir algo como o vizinho, ou melhor do que o vizinho, e ele começa a se capacitar e a mudar a forma de manejo, de nutrição e tecnologia dentro do seu rebanho e com isso ganham todos. Ele (pecuarista) ganha na rentabilidade, ganha o frigorífico porque vai receber um animal melhorado e, especialmente, ganha o consumidor, que vai ter uma carne de melhor qualidade”, sustentou Nabih.


Com a evolução da raça no Brasil, a associação precisou, inclusive, fazer ajustes nas avaliações de carcaças para a edição Circuito Nelore de Qualidade 2020. “Nós já fizemos um planejamento estratégico de mudanças e de ações positivas para o nelorista brasileiro, inclusive com algumas mudanças no Circuito Nelore de Qualidade, para valorizar os animais mais precoces. Mexemos na pontuação, ajustamos a pontuação para peso, porque o Nelore, com esta evolução do Circuito Nelore de Qualidade, animais jovens, zero a dois dentes, cada vez estão com pesos maiores, então isso fez com que mudássemos a classificação do peso. A mesma coisa para a classificação da idade, que nós abaixamos a pontuação para animais de quatro dentes abaixo. Então isto é muito legal, é a gente sentir a evolução e o melhoramento genético.[…] Eu sempre digo que, para o Nelore, o céu é o limite”, anunciou o presidente da ACNB.

El-Aouar revelou também que em 2020 haverá premiação especial para o gado Nelore terminado a pasto e ainda uma prova de performance “Nelore, a Carne do Brasil”.


Na entrevista, Nabih celebrou o lançamento da série especial “Cupim, sabor de Nelore”, cujos episódios vão ao ar todas as sextas-feiras dentro do Giro do Boi. “Agora com este novo projeto, “Cupim, sabor de Nelore”, promovido pelo Giro do Boi, isto é uma verdade, é um resgate da auto-estima do nelorista. É colocar o nelorista no mercado de produção de carne de qualidade. O Nelore é capaz não só de ter volume populacional, mas também é capaz de ter uma carne de qualidade, maciasuculenta. E é isto que nós desejamos”, valorizou.

Premiação por qualidade leva à evolução da pecuária, diz presidente da Nelore