A tendência para o curto prazo segue positiva diante do sazonal aumento de demanda de carne bovina

05 de fevereiro de 2020 às 18h53
Por Agência Safras



O mercado físico do boi gordo voltou a registrar preços mais altos em algumas das principais praças de produção e comercialização do país. Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, a tendência para o curto prazo segue positiva diante do sazonal aumento de demanda de carne bovina, movimento típico de início de mês. 


PUBLICIDADE


“Com uma reposição mais rápida entre atacado e varejo, os estoques de carne bovina caem e os frigoríficos acabam aceitando pagar mais pela matéria-prima. Já os pecuaristas estão aproveitando as boas condições das pastagens para manter os animais por mais tempo no campo”, disse.  


Em São Paulo, Capital, os preços do mercado à vista subiram de R$ 197 para R$ 198. Em Minas Gerais, preços em R$ 188 a arroba, em Uberaba, estáveis. Em Mato Grosso do Sul, preços subiram de R$ 183 para R$ 184 a arroba, em Dourados. Em Goiás, o preço indicado permaneceu em R$ 187 a arroba, em Goiânia. Já em Mato Grosso o preço ficou em R$ 174 a arroba em Cuiabá, também inalterado. 


Atacado

Os preços da carne bovina subiram no mercado atacadista. “Com o mês recém iniciando e os salários entrando na economia, a tendência é de um grande consumo no próximo final de semana, o que dá sustentação aos preços”, analisou Iglesias. 


O corte traseiro passou de R$ 13,80 por quilo para R$ 13,90 o quilo. A ponta de agulha aumentou de R$ 10,20 por quilo para R$ 10,30 por quilo. Já o corte dianteiro permaneceu em R$ 10,80 por quilo. 

Preços do boi gordo voltam a subir com demanda aquecida