São 22 anos medindo profundamente todos os indicadores possíveis de fazendas pelo Brasil e pela América Latina situadas nos mais diversos biomas, condições climáticas, relevos e com diferentes sistemas produtivos. E ainda muito esforço para conseguir reunir os números de forma que pudessem ser comparados e servirem de referência para qualquer propriedade. Este é o trabalho realizado pelo zootecnista e mestre em produção animal Antônio Chaker.

Chaker compilou estes dados em um levantamento chamado Benchmarking, que organiza por meio de seu instituto especializado em assessoria por meio de métricas gerenciais, o Inttegra. Neste ano, o Benchmarking 2018-2019, a sétima edição do projeto, será lançado na próxima segunda, dia 21, ao vivo em edição especial do Giro do Boi às 19h30 pelo Canal Rural. Ao todo, o trabalho reúne dados de 800 propriedades coletados com profundidade e analisados criteriosamente, reforçou Chaker.

Em entrevista exibida no programa desta terça, 15, o consultor convidou os profissionais do setor para acompanharem o evento e adiantou algumas das informações importantes do Benchmarking deste ano. Apesar de revelar que 37% das fazendas de pecuária de corte avaliadas pelo Inttegra têm prejuízo, sendo que mais da metade destas nem sabem de sua própria condição, o zootecnista tranquilizou os produtores. “Eu tenho uma boa notícia. A atividade pecuária é o melhor negócio que pode existir. Estamos falando de 2% ao mês, estamos falando em ganhar 20% sobre o valor do rebanho, estamos falando em ganhar mais de R$ 700 por hectare. Estamos falando de um processo que pode perdurar em ciclos de quinquênios se mantendo em alto nível de entrega de resultado”, explicou.

Chaker afirmou que ao longo das mais de duas décadas que tem de experiência ao avaliar as fazendas, “a mudança mais importante de todas foi o crescimento da necessidade pela gestão”. Segundo o consultor, a margem das propriedades era de ao menos 40%, sem importar o que fizesse o gestor, mas o cenário mudou na conjuntura atual. “O que era bom pra todo mundo só é bom (hoje) pra quem é profissional”, afirmou.

Ser profissional, para o diretor do Inttegra, não significa somente trabalhar muito. “Tem muita gente ganhando pouco e até perdendo (dinheiro) acordando 4h da manhã e trabalhando até a noite. Então não é só trabalhar muito, mas trabalhar certo”, afirmou. O que faz de diferente os pecuaristas ganhadores de dinheiro, para Chaker, é o foco na margem do negócio.

“Pulo do gato” para lucrar com pecuária de corte é produzir @ com custo de até R$ 100

Veja a entrevista completa com Antônio Chaker pelo vídeo abaixo e o convite para o lançamento do Benchmarking 2018-2019 no próximo dia 21/10 às 19h30 (Brasília) em edição especial ao vivo do Giro do Boi, no Canal Rural:

Consultor revela por que a pecuária é o melhor negócio que pode existir